PDF  | Imprimir |  E-mail

Vigilância em Saúde


Rua José Elias Cury, 280

Vigilância Sanitária: fone (18) 3341-1359

Vigilância Epidemiológica: fone (18) 3341-1373 - fax 3341-6703

Horário de Atendimento;

Segunda a Sexta-feira das 7h às 17h 

 


 

Dengue
Título Conteúdo Sintomas

A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus de evolução benigna, na maioria dos casos, e seu principal vetor é o mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais.
O vírus causador da doença possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. A infecção por um deles dá proteção permanente para o mesmo sorotipo e imunidade parcial e temporária contra os outros três.
Existem duas formas de dengue: a clássica e a hemorrágica. A dengue clássica apresenta-se geralmente com febre, dor de cabeça, no corpo, nas articulações e por trás dos olhos, podendo afetar crianças e adultos, mas raramente mata. A dengue hemorrágica é a forma mais severa da doença, pois além dos sintomas citados, é possível ocorrer sangramento, ocasionalmente choque e conseqüências como a morte.

Transmissão
A dengue não é transmitida de pessoa para pessoa. Seu principal vetor é o mosquito Aedes aegypti que, após um período de 10 a 14 dias, contados depois de picar alguém contaminado, pode transportar o vírus da dengue durante toda a sua vida. O ciclo de transmissão ocorre do seguinte modo: a fêmea do mosquito deposita seus ovos em recipientes com água. Ao saírem dos ovos, as larvas vivem na água por cerca de uma semana. Após este período, transformam-se em mosquitos adultos, prontos para picar as pessoas. O Aedes aegypti procria em velocidade prodigiosa e o mosquito adulto vive em média 45 dias. 

Temperatura
A transmissão da doença raramente ocorre em temperaturas abaixo de 16° C, sendo que a mais propícia gira em torno de 30° a 32° C. A fêmea coloca os ovos em condições adequadas (lugar quente e úmido) e em 48 horas o embrião se desenvolve. É importante lembrar que os ovos que carregam esse embrião podem suportar até um ano a seca e serem transportados por longas distâncias, grudados nas bordas dos recipientes. Essa é uma das razões para a difícil erradicação do mosquito. Para passar da fase do ovo até a fase adulta, o aedes demora em média dez dias.
Os mosquitos acasalam no primeiro ou no segundo dia após se tornarem adultos. Depois deste acasalamento, as fêmeas passam a se alimentar de sangue, que possui as proteínas necessárias para o desenvolvimento dos ovos. 
O Mosquito Aedes Aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte, mas, mesmo nas horas quentes, ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa. Há suspeitas de que alguns ataquem durante a noite. O indivíduo não percebe a picada, pois no momento não dói e nem coça.
Segundo uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) a fêmea do Aedes voa até mil metros de distância de seus ovos. Com isso, os pesquisadores descobriram que a capacidade do mosquito é maior do que os especialistas acreditavam. Até então, eles sabiam que o Aedes só se distanciava cem metros.

Sintomas
Após a picada do mosquito, os sintomas se manifestam a partir do terceiro dia. O tempo médio do ciclo é de 5 a 6 dias.O intervalo entre a picada e a manifestação da doença chama-se período de incubação. É depois desse período que os sintomas aparecem: 

Dengue Clássica
Febre alta com início súbito· Forte dor de cabeça· Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento dos mesmos· Perda do paladar e apetite· Manchas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores· Náuseas e vômitos· Tonturas· Extremo cansaço· Moleza e dor no corpo · Muitas dores nos ossos e articulações.

Dengue Hemorrágica
Os sintomas da dengue hemorrágica são os mesmos da dengue comum. A diferença ocorre quando acaba a febre e começam a surgir os sinais de alerta:· Dores abdominais fortes e contínuas. Vômitos persistentes · Pele pálida, fria e úmida· Sangramento pelo nariz, boca e gengivas· Manchas vermelhas na pele· Sonolência, agitação e confusão mental· Sede excessiva e boca seca· Pulso rápido e fraco· Dificuldade respiratória· Perda de consciência.
Na dengue hemorrágica o quadro clínico se agrava rapidamente, apresentando sinais de insuficiência circulatória e choque, podendo levar a pessoa à morte em até 24 horas. De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, cerca de 5% das pessoas com dengue hemorrágica morrem. O objetivo do Ministério é que esse número seja reduzido a menos de 1%.

Tratamento
O Aedes Aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas.
A reidratação oral é uma medida importante e deve ser realizada durante todo o período de duração da doença e, principalmente, da febre. O tratamento da dengue é de suporte, ou seja, alívio dos sintomas, reposição de líquidos perdidos e manutenção da atividade sangüínea. A pessoa deve manter-se em repouso, beber muito líquido (inclusive soro caseiro) e só usar medicamentos prescritos pelo médico, para aliviar as dores e a febre. 
Ao ser observado o primeiro sintoma, deve-se buscar orientação médica no posto de saúde mais próximo. As pessoas que já contraíram a forma clássica da doença devem procurar, imediatamente, atendimento médico em caso de reaparecimento dos sintomas agravados com os sinais de alerta, pois correm o risco de estar com dengue hemorrágica, que é o tipo mais grave. Todo tratamento só deve ser feito sob orientação médica.




Calendário de Vacinação


 

                             Relação de Vacinas

VACINA DESCRIÇÃO
BCG

Quando aplicar: ao nascer, se possível ainda no berçário.
Descrição: injeção no braço direito.
Função: protege contra formas graves de tuberculose.
Reação: não dá reações gerais. No local forma-se uma ferida que se transforma em cicatriz.
Duração: dose única, protege por toda a vida.

Hepatite B

Quando aplicar: ao nascer, se possível, ainda no berçário; com 1 mês de idade e com 6 meses de idade.
Descrição: injeção na coxa direita.
Função: protege contra a Hepatite B.
Reação: são muito pouco freqüentes.
Duração: a vida toda.

Hemóphilus Influenzae Tipo B (HIB)

Quando aplicar: aos 2 meses; aos 4 meses; aos 6 meses; reforço aos 15 meses de idade.
Descrição: vacina injetável.
Função: protege contra formas graves de infecção pela bactéria hemóphilus influenzae, como, por exemplo, a meningite por hemóphilus.
Reação: são pouco comuns.
Duração: a vida toda, com o esquema completo.

Anti-Pneumocócica 7 – valente

Função: comercialmente chamada Prevenar, esta vacina protege contra infecções invasivas pela bactéria penumococo. As vacinas disponíveis anteriormente só podiam ser usadas após os 2 anos de idade. Uma nova vacina foi lançada e sua aplicação é recomendada pelo centro de Controle de Doenças, o CDC de Atlanta (Estados Unidos), em 3 doses (aos 2, 4 e 6 meses de idade, com reforço após 1 ano).

Tríplice

Quando aplicar: aos 2 meses, aos 4 meses, aos 6 meses; reforço aos 15 meses, e 5 anos de idade, junto com a SABIN.
Função: protege contra difteria, coqueluche e tétano.
Reação: são muito freqüentes reações de irritabilidade e febre alta, que cedem com o uso de antitérmicos habituais. Reações graves são raras.
Duração: a duração por coqueluche é por toda a vida. A proteção contra o tétano e a difteria requer revacinação periódica.

Rotavírus

Quando aplicar: aos 2, 4 e 6 meses.
Descrição: vacina oral.
Função: protege contra a infecção por rotavírus.
Reação: pouco freqüentes.
Duração: ainda em determinação.

OBS: em fase de licitação no Brasil, já consta do calendário da Academia Americana de Pediatria.

Hepatite A

Quando aplicar: a partir de 1 ano de idade, em 3 doses.
Descrição: vacina injetável.
Função: protege contra a Hepatite A.
Reação: são pouco freqüentes.
Duração: a vida toda.

Tríplice Viral

Quando aplicar: aos 12 meses de idade, com reforço entre os 4 e 10 anos.
Descrição: vacina injetável.
Função: protege contra o sarampo (reforço), caxumba e rubéola.
Reação: são pouco freqüentes.
Duração: a vida toda.

Varicela

Quando aplicar: havendo a disponibilidade, deve ser aplicada a partir de 1 ano de vida, em dose única.
Descrição: vacina injetável.
Função: protege contra a varicela (catapora).
Reação: são pouco freqüentes.
Duração: a vida toda.

Anti-Meningocócica C

Função: o nome comercial é Meningitec. Protege contra a infecção pelo meningococo C e confere boa imunidade. Pode ser aplicada no primeiro ano de vida, em 3 doses, com intervalo de 2 meses entre elas. Dose única se aplicada após 1 ano de idade.

Anti-meningocócica A e C

Função: protege contra a infecção pelos meniongococos A e C, causadores da meningite meningocócica, considerada grave. Pode ser aplicada a partir de 2 anos de idade, mas não é indicada rotineiramente, apenas em casos especiais, definidos pelo médico, ou em situações de epidemia, por recomendação das autoridades de saúde pública.

OBS: além de não proteger contra a infecção pelo meningococo do grupo B (responsável por 80% das infecções no Brasil), sua imunidade possui curta duração, obrigando a revacinações constantes.
Estas revacinações podem levar a uma diminuição da imunidade contra o meningococo.

Dupla Tipo Adulto

Descrição: vacina injetável.
Função: protege contra a difteria e o tétano.
Reação: são pouco freqüentes.
Duração: 10 anos.

Anti-Gripal

Função: vacina que protege contra a infecção pelo vírus influenza, causador da gripe. Pode ser aplicada a partir de 6 meses de idade, mas de preferência a partir de 1 ano. Não é indicada rotineiramente para todas as crianças, mas apenas em casos especiais, naquelas com problemas como asma grave ou infecções de repetição.


 


 


 

Pesquisar Google

Google

Área Restrita



Links


  banner esic

 

nota_fiscal_-_icone.jpg

  




Prefeitura Municipal de Cândido Mota - Rua Henrique Vasques, 180 - CEP 19880-000 - Telefone (18) 3341-9350 - Cândido Mota - SP